1.2.06

Peço-te, não fales na minha boca,


ó anjo malogrado e triste!


Estende sobre mim uma sombra de flanela.



Vou a caminho no dorso de um cão,


afastando o medo na ponta dos dedos.


E carrego por ti clandestinos segredos.

3 Comments:

Anonymous ritinha said...

Mais um poema? .. É mesmo para nos deixarem a pensar em coisas, com a cabeça a dar a dar.. :\ * No bom sentido, claro ! (os poemas tem sempre bons sentidos, nao é?!)
Odeio ser sempre a primeira a comentar... :)

Gostei! ..
Diria mais... Mas primeiro, não saía daqui... Segundo, hoje não me sai nada decente...

* Sweet Kiss

1:55 da tarde  
Blogger maria said...

Magnífico!

4:20 da tarde  
Anonymous migalha said...

Shed the tear, breathe the sorrow, for my pain as gone to morrow.
Everlasting heartache, this sounds of life to-be; slipping raindrop kisses, like you are to me.

6:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home