9.9.07

Pequena permissa parva

A Adília Lopes tem cabelo castanho e usa-o curto desde 1981.
Eu nasci em 1981. Eu sou o cabelo da Adília Lopes.

13 Comments:

Blogger rui said...

:)

11:18 da tarde  
Blogger Bianca said...

gosto mt da vossa onda.

Será que é possível eu mandar um texto sobre um autor novo de poesia? o livro dele vai sair no final do mês e é da Magna Editora.
Gostava muito que o vosso projecto contivesse coisas mais alternativas por vezes, que escapasse às grandes distribuidoras.
Posso enviar o texto? se assim mandem me um mail para o endereço que indiquei. obrigado

Bianca

12:38 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

alias, o meu mail é:

biancasimoes1980@gmail.com

(tenho ump roblema no perfil)

12:40 da manhã  
Blogger sem-se-ver said...

:)))

8:49 da tarde  
Blogger limonete said...

cuidado. a adilia tem muitas baratas em casa. esta atenta a qualquer movimento involuntario do teu cabelo.
;-)

5:34 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

lol!!

5:19 da tarde  
Blogger sinhã, a. said...

E espigas? :-)

1:41 da tarde  
Blogger sleeping beauty said...

Parece uma troca de palavras simples e revela um sentido metafórico tão interessante.
Gostei.
Continue Inês, com esta frescura.

7:24 da tarde  
Blogger Anjo said...

Adorei!
Embora tenha ficado com medo do que possa ter surgido em 87...

5:20 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

«Porque usa o cabelo curto desde 1981? Porque se habituou ao corte? [António Pedro, 8.º 3.ª]
Porque faziam troça do meu cabelo, por ter muito volume e ser muito frisado. Aconselharam-me a usá-lo curto. Mas também me criticavam por o usar tão curto. Tinha uma tia que dizia «Nem que ela fosse muito bonita aquele corte lhe ficava bem». Como era muito prático usá-lo curtinho, habituei-me a tê-lo assim. 1981 é uma data chave para mim, porque foi o ano em que decidi interromper os estudos. Tornei-me mais dona de mim. Tinha 21 anos. Os 21 anos era a maioridade quando eu era criança. E para mim bateu certo. Agora (Novembro de 2005) uso o cabelo comprido, abaixo das orelhas. Depois da morte do meu pai, em 2002, senti-me outra vez mais livre e decidi mudar de penteado.»


http://portugal.poetryinternationalweb.org/piw_cms/files/54/4640_Lopes.jpg

3:08 da tarde  
Blogger Miguel Barroso said...

Ahahahah, potentíssimo!!!






Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

11:45 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Permissa? Isso vem no dicionário?

9:13 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

E se a Adilia tivesse queda de cabelos.

11:11 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home